Download Free FREE High-quality Joomla! Designs • Premium Joomla 3 Templates BIGtheme.net
Home / Notícias / Homem que desapareceu aos 17 anos é descoberto VIVO no porão de seu vizinho, onde está mantido em cativeiro há 27 ANOS

Homem que desapareceu aos 17 anos é descoberto VIVO no porão de seu vizinho, onde está mantido em cativeiro há 27 ANOS

Um homem que desapareceu há quase 30 anos, aos 17 anos, após um suposto sequestro, foi encontrado vivo no porão de seu vizinho, debaixo de pilhas de feno.

Nomeado como Omar Bin Omran, ele teria desaparecido na cidade de Djelfa, na Argélia, há 27 anos.

A sua família presumiu que ele tinha sido morto durante a guerra civil entre o governo da nação norte-africana e grupos rebeldes islâmicos que durou 10 anos na década de 1990 e no início de 2000.

A verdade chegou literalmente perto de casa: o homem desaparecido teria sido feito prisioneiro por um vizinho de 61 anos que está agora sob custódia policial depois que Omar, agora com 45 anos, foi encontrado em seu porão no início desta semana.

Foram partilhadas nas redes sociais e transmitidas nas redes de televisão argelinas imagens do momento em que Omar foi encontrado no que parecia ser um poço dentro da casa do seu alegado captor.

Homem que desapareceu aos 17 anos é descoberto VIVO no porão de seu vizinho, onde está mantido em cativeiro há 27 ANOS

Omar Bin Omran ao sair do poço onde foi mantido em cativeiro por quase 30 anos

Omar Bin Omran quando adolescente antes de ser sequestrado, fotografado com dois parentes mais jovens (à esquerda) e depois de ser encontrado (à direita)

Imagens de Omar sendo descoberto se tornaram virais nas redes sociais.  A legenda em árabe diz: “No momento em que o encontraram na casa do vizinho”

Imagens de Omar sendo descoberto se tornaram virais nas redes sociais. A legenda em árabe diz: “No momento em que o encontraram na casa do vizinho”

Acredita-se que sua família acreditasse que ele estava morto, morto na guerra civil argelina que ocorreu há mais de 20 anos.

Acredita-se que sua família acreditasse que ele estava morto, morto na guerra civil argelina que ocorreu há mais de 20 anos.

O vídeo borrado mostra tochas brilhando em um buraco cercado por feno enquanto Omar olha furtivamente para cima, aparentemente perplexo com a equipe de busca que o cerca, com pedaços de palha perdidos em seu cabelo.

Desde então, circularam outras imagens do homem barbudo emergindo do buraco, e dele ainda adolescente, sentado com um cachorro e com crianças pequenas.

Os promotores públicos de Djelfa, uma cidade montanhosa com cerca de 500 mil habitantes, cerca de 225 quilômetros ao sul da capital costeira, Argel, dizem que Omar receberá cuidados psicológicos depois de ser resgatado, pois prometeram fazer-lhe justiça.

“A Procuradoria-Geral de Djelfa informa ao público que no dia 12 de maio, às 20h, hora local, encontrou a vítima Omar B, de 45 anos, no caso do seu vizinho, BA, de 61 anos”, afirmaram num comunicado.

Um funcionário judicial em Djelfa foi citado como tendo dito: 'Há dois dias, em 12 de Maio de 2024, o Ministério Público recebeu, através do departamento regional da Gendarmaria Nacional em El Jadid, uma queixa contra uma pessoa anónima alegando que o irmão do queixoso, Omar bin Omran, desaparecido há cerca de 30 anos, está na casa de um dos seus vizinhos, dentro de um curral.

«Na sequência deste relatório, o Procurador-Geral do Tribunal de Idrisiya, na província de Djelfa, ordenou à Gendarmaria Nacional que abrisse uma investigação aprofundada e os agentes dirigiram-se à casa em questão.

'A pessoa desaparecida foi encontrada e o suspeito, o dono da casa, de 61 anos, foi preso.'

Uma declaração emitida pelo Ministério da Justiça da Albânia (foto) prometia que Omar receberia cuidados psicológicos e prometeu que o perpetrador seria julgado com 'severidade'

Uma declaração emitida pelo Ministério da Justiça da Albânia (foto) prometia que Omar receberia cuidados psicológicos e prometeu que o perpetrador seria julgado com 'severidade'

As imagens mostram o que os moradores locais disseram ter sido o local da descoberta de Omar em Djelfa, na Argélia, iluminado por luzes de veículos de emergência

As imagens mostram o que os moradores locais disseram ter sido o local da descoberta de Omar em Djelfa, na Argélia, iluminado por luzes de veículos de emergência

Acrescentou: “O Ministério Público ordenou que a vítima recebesse tratamento médico e psicológico, sendo o suspeito apresentado ao Ministério Público imediatamente após a conclusão da investigação”.

As autoridades prometeram que o “autor deste crime hediondo” será julgado com “severidade”.

O homem detido trabalhava como funcionário público e morava sozinho.

Um vizinho do homem raptado disse à estação de televisão argelina Bilad: “A sua pobre mãe morreu enquanto ele estava em cativeiro, sem saber o que lhe tinha acontecido, sem saber que durante todo este tempo ele esteve realmente ao lado dela”.

Uma declaração do Ministério da Justiça argelino sugeriu que a família da vítima foi informada sobre o paradeiro de Omar depois que o irmão do suposto captor divulgou suas queixas nas redes sociais durante uma disputa de herança.

Há muitos mistérios sobre o motivo pelo qual Omar não pediu ajuda durante as quase três décadas em que foi mantido em cativeiro.

A mídia argelina informou que Omar disse que não conseguiu pedir ajuda por causa de um feitiço que seu suposto sequestrador lançou sobre ele.


Source link

About admin

Check Also

Alarme sobre o “estatuto WFH para ociosos” do Partido Trabalhista: Empresas e conservadores alertam que a reforma dos direitos dos trabalhadores corre o risco de reduzir a produtividade e causar perdas em massa de empregos, com empresas indo à falência devido à “burocracia”

Alarme sobre o “estatuto WFH para ociosos” do Partido Trabalhista: Empresas e conservadores alertam que a reforma dos direitos dos trabalhadores corre o risco de reduzir a produtividade e causar perdas em massa de empregos, com empresas indo à falência devido à “burocracia”

Trabalho foi acusado de planejar um “estatuto de trabalho remoto para ociosos” hoje, após o …

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *