Download Free FREE High-quality Joomla! Designs • Premium Joomla 3 Templates BIGtheme.net
Home / Notícias / O épico autofinanciado de US$ 120 milhões de Francis Coppola, Megalópolis, foi considerado uma 'abominação' pelos críticos após alegações de caos no set, enquanto membros da equipe alegavam que o lendário diretor fumava maconha em seu trailer e 'puxava mulheres jovens para seu colo'

O épico autofinanciado de US$ 120 milhões de Francis Coppola, Megalópolis, foi considerado uma 'abominação' pelos críticos após alegações de caos no set, enquanto membros da equipe alegavam que o lendário diretor fumava maconha em seu trailer e 'puxava mulheres jovens para seu colo'

Ele é reverenciado como um peso-pesado da direção por trás da lendária trilogia O Poderoso Chefão e um farol do cinema dos anos 70.

Mas a última oferta do infame roteirista de Hollywood Francisco Ford Coppola85 anos, está sendo considerado 'inchado', 'chato' e apelidado de 'abominação destruidora' pelos críticos. Megalópolis – que estreou em Festival de Cinema de Cannes ontem à noite – é centrado em um arquiteto superpoderoso (Adão Motorista) que tenta reconstruir Cidade de Nova York numa utopia modernista.

Ele também apresenta os talentos de um elenco que inclui nomes como Shia LeBouf Giancarlo Esposito Aubrey Plaza e Laurence Fishburne.

Além de dirigir o longa, Coppola escreveu o roteiro e atua como um dos produtores do projeto. O cineasta teria gasto US$ 120 milhões de seus próprios fundos para financiar o filme.

As primeiras exibições do próximo filme renderam críticas mistas dos críticos – e alguns até deram uma classificação miserável de uma estrela em cinco.

Mas a última oferta do infame roteirista de Hollywood Francis Ford Coppola, 85 anos, está sendo considerada “inchada”, “chata” e apelidada de “abominação destruidora” pelos críticos.

Mas a última oferta do infame roteirista de Hollywood Francis Ford Coppola, 85 anos, está sendo considerada “inchada”, “chata” e apelidada de “abominação destruidora” pelos críticos.

As questões não param por aí – membros da equipe que trabalham com Coppola também o acusaram de “perder tempo”, fumar maconha em seu trailer e “puxar mulheres para sentar em seu colo”.

A equipe ainda afirmou que momentos no set desastroso os deixaram perguntando: 'Esse cara já fez um filme antes?'

Falando com O guardiãouma fonte disse que Coppola abalou os trabalhadores de produção com experiência em tecnologia ao insistir em métodos da velha escola que levavam horas.

Eles contaram o primeiro dia do ator Adam Driver, capturando uma cena em que seu corpo se funde com material futurista.

O diretor teria insistido em usar espelhos e projetores para conseguir o efeito, como fez com seu filme Drácula 30 anos antes, em vez de deixar a equipe fazer isso digitalmente – o que levaria dez minutos.

“Então eles basicamente amarraram Adam Driver em uma cadeira por seis horas, e literalmente pegaram um projetor de US$ 100 e projetaram uma imagem na lateral de sua cabeça”, disseram eles. 'Sou totalmente a favor da experimentação, mas é realmente isso que você quer fazer no primeiro dia com seu ator de US $ 10 milhões?'

Eles também descobriram que Coppola tinha a equipe exausta com sua indecisão sobre os designs e continuava mudando de ideia e ideia sobre a visão do filme.

Outra fonte disse ao canal que o cineasta supostamente apareceria sem nenhum plano definido sobre como filmar uma grande sequência.

Falando ao The Guardian, uma fonte disse que Coppola abalou os trabalhadores de produção com experiência em tecnologia ao insistir em métodos da velha escola que levavam horas

Falando ao The Guardian, uma fonte disse que Coppola abalou os trabalhadores de produção com experiência em tecnologia ao insistir em métodos da velha escola que levavam horas

Coppola então ‘preparava algo que não fazia sentido’, deixando a tripulação ‘tentando tirar o melhor proveito disso’

Coppola então ‘preparava algo que não fazia sentido’, deixando a tripulação ‘tentando tirar o melhor proveito disso’

“Ele muitas vezes ficava sentado em seu trailer por horas a fio, não falava com ninguém e costumava fumar maconha”, alegaram. 'E horas e horas se passavam sem que nada fosse filmado. E a equipe e o elenco ficariam parados esperando.

Coppola então “preparava algo que não fazia sentido”, deixando a tripulação “tentando tirar o melhor proveito disso”.

'Parece loucura dizer, mas houve momentos em que estávamos todos pensando: 'Esse cara já fez um filme antes?'', comentou um terceiro. Ele também foi considerado 'desagradável'.

Fontes também comentaram sobre o comportamento da 'velha escola' de Coppola em relação às mulheres, alegando que ele puxou as mulheres para sentarem em seu colo.

Em outro lugar, foi alegado que, enquanto filmava uma 'cena de boate bacana' para o filme, ele tentou 'beijar algumas das figurantes femininas de topless e seminuas' – em uma tentativa de 'deixá-las no clima'.

O coprodutor executivo Darren Demetre, entretanto, disse ao Guardião que Coppola “produziu e dirigiu com sucesso um enorme filme independente”.

Referindo-se ao seu comportamento durante as filmagens da cena comemorativa do clube, Demetre disse que Coppola “caminhou pelo set para estabelecer o espírito da cena, dando abraços e beijos gentis no rosto do elenco e dos atores de fundo”.

Megalopolis - que estreou no Festival de Cinema de Cannes na noite passada - é centrado em um arquiteto superpoderoso que tenta reconstruir a cidade de Nova York em uma utopia modernista.  Na foto da esquerda para a direita: Giancarlo Esposito, Aubrey Plaza, Francis Ford Coppola, sua neta Romy Coppola e Adam Driver

Megalopolis – que estreou no Festival de Cinema de Cannes na noite passada – é centrado em um arquiteto superpoderoso que tenta reconstruir a cidade de Nova York em uma utopia modernista. Na foto da esquerda para a direita: Giancarlo Esposito, Aubrey Plaza, Francis Ford Coppola, sua neta Romy Coppola e Adam Driver

Isto foi alegadamente para “ajudar a inspirar e estabelecer a atmosfera do clube”. Demetre insistiu que não foi informado de nenhuma reclamação durante as filmagens.

Durante a produção do filme, Coppola também lidava com a doença de sua esposa Eleanor Coppola, que morreu aos 87 anos no mês passado.

Eleanor esteve presente no set do filme “até que sua doença a impediu de estar lá”, disse um porta-voz ao canal.

Além dos turbulentos bastidores, o filme de Coppola não conseguiu impressionar os críticos – apesar de ter sido aplaudido de pé durante dez minutos em Cannes, na quinta-feira.

Dando apenas uma estrela, Kevin Maher de Os tempos criticou-o como 'todo o ar quente e waffle mantidos juntos, mal, pela produção de filmes em sua forma mais desgastada'.

Enquanto isso, classificando-o com duas estrelas, Peter Bradshaw, por O guardiãodisse que o filme parecia “um projeto de paixão sem paixão: um filme inchado, chato e desconcertantemente superficial, cheio de verdades de oradores do ensino médio sobre o futuro da humanidade”.

No entanto, nem todos foram tão rápidos em destruir o filme – O telégrafo concedeu-lhe respeitáveis ​​quatro estrelas.

Robbie Collin disse que era um “filme de banho sensorial de corpo inteiro que segue uma luta pelo poder entre as elites de Nova Roma”.

Aqui, FEMAIL analisa a mistura de críticas que Megalópolis tem atraído…

OS TEMPOS

Avaliação:

Kevin Maher de Os tempos criticou o filme, apelidando-o de '138 minutos estupidificantes de temas mal concebidos' e 'cenas incompletas'.

Ele também destruiu as 'atuações de pregos no quadro-negro' dos atores.

O crítico então questionou a exposição “bizarra” do filme e disse que também “não é um grande filme” para mulheres, homens ou “seres humanos em geral”.

GUARDIÃO

Avaliação:

Peter Bradshaw disse que embora o filme fosse “ambicioso e seriamente planejado” – e “tenha alguns lampejos de humor e entusiasmo” – foi, em última análise, “um fracasso de Coppola”.

Escrevendo para O guardiãoele também não ficou impressionado com a atuação do elenco e o “trabalho de efeitos visuais de aparência barata”.

No entanto, Peter acrescentou que o filme “faz uma pergunta válida” sobre a sustentabilidade do “império dos EUA”.

O crítico concedeu-lhe apenas duas de cinco estrelas.

O TELÉGRAFO

Avaliação:

Classificando-o com quatro estrelas, Robbie Collin do O telégrafo elogiou muito o desempenho “fantástico” de Aubrey Plaza no filme.

No entanto, ele descobriu que estava claro que o filme havia passado por várias metamorfoses.

“O resultado final parece algo que foi esticado, torcido e amassado a um ponto onde seria impossível endireitar a coisa novamente, e também em grande parte fora de questão”, escreveu o revisor.

CORREIO DIÁRIO

Avaliação:

Atribuindo ao filme apenas uma estrela, o Correio diárioBrian Viner elogiou muito a visão – mas não a execução – de Megalópolis.

'O diretor de 85 anos foi justamente festejado esta semana na Riviera. Ele é um colosso da indústria, cuja produção da década de 1970 por si só – O Poderoso Chefão, O Poderoso Chefão: Parte II, A Conversa, Apocalipse Agora – o eleva ao nível mais alto dos cineastas”, escreveu ele.

'Mas com esse talento poderoso vem um ego poderoso e uma expectativa clara de que 'Megalópolis: Uma Fábula de Francis Ford Coppola', para dar-lhe seu título completo e vanglorioso, nos fará maravilhar-nos novamente com sua genialidade.

'Em vez disso, vamos chorar por sua arrogância.

“Não é que não haja um trampolim poderoso para a sua história: a noção de que a América num futuro próximo, e Cidade de Nova York em particular, pode ser comparável à Roma Antiga à medida que o declínio e a decadência se instalam. Ele chama sua metrópole de Nova Roma, um lugar minado pela ganância e por homens que pretendem apenas enriquecer.

No entanto, ele achou o enredo 'extremamente confuso' – e classificou-o como uma 'mega-flópole'.

O INDEPENDENTE

Avaliação:

Escrevendo para o IndependenteGeoffrey Macnab disse que Megalópolis, apesar de suas críticas mistas, 'não há acidentes de carro'.

“O épico autofinanciado de US$ 120 milhões (94 milhões de libras) de Francis Ford Coppola certamente não é outro Poderoso Chefão ou Apocalipse Agora, mas pelo menos está repleto de ideias”, escreveu ele.

Mas o crítico – dando ao filme três estrelas – descobriu que, apesar de um elenco estelar, a maioria dos grandes nomes oferece 'atuações educadas e ocasionalmente descartáveis' que não combinam bem com a narrativa do diretor.

TEMPOS FINANCEIROS

Avaliação:

O Tempos FinanceirosRaphael Abraham concedeu ao filme uma estrela – alegando que os espectadores testemunharam uma 'espetacular queda em desgraça de outro grande cinema dos anos 1970'.

Ele comentou sobre o “doloroso trabalho de amor” de Coppola como sendo repleto de “falas agressivamente teatrais pronunciadas com sobrancelhas arqueadas e gestos histriônicos”.


Source link

About admin

Check Also

Viciados recebem grandes quantias por serviços privados de reabilitação de que não precisam, alerta especialista

Por Anna Wolfe Publicados: 21h05 EDT, 22 de junho de 2024 | Atualizada: 21h08 EDT, …

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *