Download Free FREE High-quality Joomla! Designs • Premium Joomla 3 Templates BIGtheme.net
Home / Notícias / Os macacos estão entrando na idade da pedra? Primatas capuchinhos filmados usando ferramentas para cavar em busca de comida no subsolo… dias depois que o orangotango tratou seu próprio ferimento com planta

Os macacos estão entrando na idade da pedra? Primatas capuchinhos filmados usando ferramentas para cavar em busca de comida no subsolo… dias depois que o orangotango tratou seu próprio ferimento com planta

Pesquisadores de comportamento animal lançaram um vídeo incrível de pequenos macacos-prego usando ferramentas de pedra para procurar comida em BrasilParque Nacional de Ubajara.

A equipe registrou 214 casos no total, capturando as tentativas das criaturas de extrair comida, como aranhas 'alçapão', dos ninhos subterrâneos dos aracnídeos.

Os pesquisadores então dividiram esses casos em quatro métodos: escavação “somente com as mãos”, “escavação de pedras”, “sondagem com bastão” e uso híbrido de “bastão de pedra” – descobrindo que os macacos mudaram seus hábitos com base no clima sazonal e as ferramentas certas para o trabalho.

A filmagem se junta a um número crescente de estudos que analisam o uso de ferramentas de pedra e pau pelo minúsculo primata sul-americano, um campo emergente que algumas universidades de pesquisa agora descrevem como “documentação da Idade da Pedra do Macaco em tempo real”.

As novas descobertas vêm logo após outras descobertas recentes que revelam ainda mais a inteligência dos primos primatas da humanidade, incluindo a impressionante prática de um orangotango de curando seus próprios ferimentos com uma erva medicinal preparada por você mesmo.

Pesquisadores de comportamento animal lançaram um vídeo incrível de pequenos macacos-prego usando ferramentas de pedra para procurar comida no Parque Nacional de Ubajara, no Brasil (vídeo ainda acima)

Pesquisadores de comportamento animal lançaram um vídeo incrível de pequenos macacos-prego usando ferramentas de pedra para procurar comida no Parque Nacional de Ubajara, no Brasil (vídeo ainda acima)

A equipe registrou 214 casos no total, em que as criaturas tentaram extrair comida, como aranhas 'alçapão', de ninhos subterrâneos enterrados (vídeo ainda acima).  Estudaram as técnicas de escavação dos macacos e as suas adaptações estratégicas às condições ecológicas locais.

A equipe registrou 214 casos no total, em que as criaturas tentaram extrair comida, como aranhas 'alçapão', de ninhos subterrâneos enterrados (vídeo ainda acima). Estudaram as técnicas de escavação dos macacos e as suas adaptações estratégicas às condições ecológicas locais.

Esta compreensão de que os macacos-prego da América do Sul (que normalmente não ultrapassam os 55 centímetros, mais as suas longas caudas de 45 centímetros) utilizam ferramentas tal como os seus parentes primatas maiores, surgiu apenas gradualmente desde meados da década de 2000.

Em 2004, a botânica Alicia Ibáñez observou, em seu livro sobre a vida vegetal, que macacos-prego de cara branca usavam pedras para estourar amêndoas e mariscos em mar aberto.

Sua descoberta nas ilhas do Parque Nacional Coiba, no Panamá, logo inspirou cientistas da Universidade da Califórnia, Davis, a estudar eles próprios esses macacos-prego.

“Essas ilhas são o único lugar no mundo onde se sabe que esta espécie específica de macaco usa ferramentas de pedra”, de acordo com UC, pesquisador de primatas de Davis. Meredith Carlson. 'Está realmente concentrado em duas pequenas populações.'

Mas dentro de alguns anos, psicólogos animais da Universidade de São Paulo, no Brasil, fariam uma descoberta semelhante na savana seca do Parque Nacional da Serra da Capivara, no seu país.

A espécie Beard Capuchinho ali, eles relataram em seu artigo de 2009'habitualmente modificariam e usariam varas como sondas para mergulhar em busca de mel e expulsar presas (como lagartos, abelhas e escorpiões) de fendas nas rochas e troncos'.

E agora o último estudo, publicado em Relatórios Científicos em maio deste ano, expande o terreno que esses macacos-prego escavam em busca de alimento para as regiões mais úmidas da savana de outra reserva nacional brasileira: o Parque Nacional de Ubajara, próximo à costa atlântica.

Pesquisadores do Projeto Cultura Capuchinha da Universidade de São Paulo dedicaram 21 meses observando e filmando macacos-prego trabalhando arduamente na escavação em busca de alimento.

Quando se tratava de escavação de pedras, os pesquisadores observaram que os macacos-prego usavam rochas 'menores e mais leves', 'feitas de materiais de arenito' (amostras mostradas acima), em comparação com 'as ferramentas de martelar usadas para quebrar nozes de palmeira', que eram rochas mais pesadas.

Quando se tratava de escavação de pedras, os pesquisadores observaram que os macacos-prego usavam rochas 'menores e mais leves', 'feitas de materiais de arenito' (amostras mostradas acima), em comparação com 'as ferramentas de martelar usadas para quebrar nozes de palmeira', que eram rochas mais pesadas.

Eles também observaram que os macacos usaram ferramentas de arenito durante 59% das tentativas de escavação em colinas (como visto acima), mas apenas 24% das tentativas de escavação ao longo das margens dos rios – sugerindo uma consciência de que a terra macia e úmida era mais fácil para suas pequenas patas de macaco.

Eles também observaram que os macacos usaram ferramentas de arenito durante 59% das tentativas de escavação em colinas (como visto acima), mas apenas 24% das tentativas de escavação ao longo das margens dos rios – sugerindo uma consciência de que a terra macia e úmida era mais fácil para suas pequenas patas de macaco.

No que diz respeito à escavação de pedras, os pesquisadores observaram que esses macacos-prego barbudos usavam rochas “menores e mais leves”, feitas de materiais de arenito, em comparação com “as ferramentas de martelar usadas para quebrar nozes de palmeira”.

O peso médio das suas ferramentas de escavação de arenito era de cerca de 4,5 onças, em comparação com cerca de 2,5 libras das suas pedras para quebrar nozes – sugerindo uma estratégia concertada sobre qual a “ferramenta” que poderia funcionar melhor para cada caso.

A equipe também observou que os macacos usaram ferramentas de arenito durante 59% das tentativas de escavação em colinas, mas apenas em 24% das tentativas de escavação ao longo das margens dos rios, sugerindo uma consciência de que a terra macia e úmida era mais fácil para as patas dos macacos.

“Prevemos que os macacos-prego usam apenas as mãos em solos mais soltos”, escreveram os pesquisadores, “e escavam pedras em solos compactados e mais duros”.

“Além disso, também levantamos a hipótese de que os macacos-prego escolhem ativamente as posições das ferramentas de pedra”, acrescentaram, “e que isso aumenta a eficiência ao cavar em solo difícil”.

No que diz respeito ao uso da vara pelo macaco, que os pesquisadores observaram em 40 ocasiões documentadas, 32 casos foram especificamente para invadir tocas de aranhas.  Acima, dois gravetos usados ​​pelos macacos-prego, medidos pelos cientistas

No que diz respeito ao uso da vara pelo macaco, que os pesquisadores observaram em 40 ocasiões documentadas, 32 casos foram especificamente para invadir tocas de aranhas. Acima, dois gravetos usados ​​pelos macacos-prego, medidos pelos cientistas

Embora os macacos tenham tido sucesso em apenas 42,5% das tentativas de cutucar o bastão, os pesquisadores notaram que a sondagem do bastão parecia envolver raciocínio e habilidade complexos.  Acima, um macaco cutuca com um pedaço de pau coberto de folhas na tentativa de obter e comer uma aranha

Embora os macacos tenham tido sucesso em apenas 42,5% das tentativas de cutucar o bastão, os pesquisadores notaram que a sondagem do bastão parecia envolver raciocínio e habilidade complexos. Acima, um macaco cutuca com um pedaço de pau coberto de folhas na tentativa de obter e comer uma aranha

No que diz respeito ao uso da vara pelo macaco, que os pesquisadores observaram em 40 ocasiões documentadas, 32 casos foram especificamente para invadir tocas de aranhas.

Embora os macacos tenham tido sucesso em apenas 42,5% das tentativas de cutucar o bastão, os pesquisadores notaram que a sondagem do bastão parecia envolver raciocínio e habilidade complexos.

“Os machos adultos às vezes seguram a sonda com uma mão e colocam a outra na lateral da toca”, escreveram os pesquisadores, “aparentemente para evitar que a aranha caia e fuja”.

Os cientistas – cujo trabalho para a Universidade de São Paulo foi conduzido em parceria com o Instituto Max Planck de Comportamento Animal da Alemanha e o seu Instituto de Antropologia Evolutiva – notaram uma complexidade semelhante na tática do “pau-pedra”.

Os macacos-prego usaram a pedra pela primeira vez para raspar a sujeira da superfície, reduzindo a profundidade das tocas das aranhas para tornar seu trabalho de sondagem mais fácil e eficaz.

Os macacos então usaram os gravetos para extrair aranhas e suas bolsas de ovos ricas em proteínas.

Embora os macacos tenham tido sucesso em apenas 42,5% das tentativas de cutucar o bastão (a segunda da esquerda para cima), a equipe notou que a sondagem parecia envolver raciocínio e habilidade complexos.  Curiosamente, o uso de ferramentas não pareceu melhorar a sua capacidade de obter alimentos.

Embora os macacos tenham tido sucesso em apenas 42,5% das tentativas de cutucar o bastão (a segunda da esquerda para cima), a equipe notou que a sondagem parecia envolver raciocínio e habilidade complexos. Curiosamente, o uso de ferramentas não pareceu melhorar a sua capacidade de obter alimentos.

COs macacos apuchin são uma espécie onívora, o que significa que sua dieta varia na natureza.

Tudo, desde flores, botões e folhas até pássaros, ovos, pequenos mamíferos, moluscos e insetos, estão todos no cardápio deste pequeno primata.

Curiosamente, os investigadores notaram que o uso de ferramentas pelos macacos não pareceu realmente melhorar a sua capacidade de chegar à comida: a taxa de sucesso dos macacos oscilou em cerca de 83 por cento tanto para os casos de “apenas com as mãos” como de “pau de pedra”. por exemplo.

E o esforço dos macacos com pedras e paus separadamente foi de pouco menos da metade.

“É intrigante que o uso de ferramentas não tenha aumentado o sucesso global na obtenção de recursos alimentares subterrâneos”, disseram os investigadores.

Mas notaram que isto só pode ter parecido assim, porque o seu estudo não foi capaz de determinar se os macacos estavam a recorrer especificamente a ferramentas por outras razões, “para obter maiores recursos” ou “para reduzir a duração da escavação”.


Source link

About admin

Check Also

Viciados recebem grandes quantias por serviços privados de reabilitação de que não precisam, alerta especialista

Por Anna Wolfe Publicados: 21h05 EDT, 22 de junho de 2024 | Atualizada: 21h08 EDT, …

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *